Homem é morto em ponto de ônibus após pedir para não ter celular levado por assaltantes, em Manaus


Testemunhas relataram que homem não reagiu, mas ainda assim foi baleado na Av. André Araújo. Vítima seria colaboradora do Inpa. Crime ocorreu em parada de ônibus em frente ao Incra, na Av. André Araújo
Rickardo Marques/G1
Um homem morreu após ser baleado por assaltantes em um ponto de ônibus na Av. André Araújo, Zona Centro-Sul de Manaus, na noite desta terça-feira (31). O rapaz seria um colaborador do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônica (Inpa), localizado a poucos quilômetros do local do crime. Testemunhas disseram que ele foi atingido após pedir para não ter celular roubado.
Testemunhas relataram que a vítima foi atingida mesmo sem reagir durante a ação criminosa, que ocorreu no sentido Centro-bairro da avenida, em frente ao Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), por volta das 19h45.
Dois homens em uma motocicleta se aproximaram de pessoas que aguardavam no ponto de ônibus e o garupa anunciou o assalto. Uma das pessoas que estava no local, que não quis ser identificada, contou ao G1 o momento do crime.
Vítima estava em ponto de ônibus quando foi abordada por dupla em moto
Rickardo Marques/G1
“O cara já chegou com arma na mão e pediu para ele [vítima] não se mexer. O rapaz levantou e ele [suspeito] repetiu para ele não se mexer. Aí o rapaz falou ‘poxa, não leva não, mano’ e o cara atirou duas vezes. Acho que um dos tiros pegou no chão e outro no peito dele. Ele pegou o celular do rapaz e de uma outra moça, que jogou o celular no chão e fugiu”, relatou.
Outra testemunha, que prestou os primeiros socorros à vítima, informou que o rapaz foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas já deixou o local sem pulso.
A vítima foi encaminhada ao Hospital e Pronto Socorro João Lúcio, mas não resistiu aos ferimentos e morreu antes de chegar à unidade. Até as 20h30 desta segunda-feira, os criminosos não tinham sido localizados.
O G1 tentou contato com a comunicação do Inpa para confirmar se a vítima era funcionária do Instituto, mas as ligações não foram atendidas.
Posted in G1