Museu de Arte Murilo Mendes, em Juiz de Fora, celebra certificação do Ibram


Reconhecimento representa diferencial para o futuro da instituição, que pertence à UFJF. Museu de Arte Murilo Mendes é uma das instituições certificadas pelo Ibram em MG
Paulo Soares/Divulgação
O Museu de Arte Murilo Mendes (Mamm) da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) está oficialmente certificado pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).
A instituição, aos 13 anos de existência, recebeu o selo “Museu Registrado” em junho deste ano, tornando-se um dos 31 mineiros e dos 172 brasileiros com a certificação.
Na região, o Museu Regional de São João del Rei, a Pinacoteca e o Museu Histórico da Universidade Federal de Viçosa (UFV), além do Museu de Ciências da Terra Alexis Dorofeev, também em Viçosa, já possuíam o selo.
Segundo o Ibram, a certificação significa a chancela de um reconhecimento institucional. É a mesma avaliação feita pelo diretor do Mamm, Ricardo Cristófaro.
“Possuir o selo ‘Museu Registrado’ nos dá um certo status. Nem todo espaço museológico tem este reconhecimento por parte do governo federal. Isso nos diferencia e habilita a participar de editais para captar recursos e parcerias em programas nacionais e internacionais, além de intercâmbio de exposições”, disse em entrevista ao G1.
Profissionalização do setor
Ricardo Cristófaro disse que, para entender a importância do registro, é necessário contextualizar as inciativas em prol da organização e profissionalização do setor museológico no Brasil.
“Quando o Mamm foi criado, utilizou a prerrogativa de atribuir a qualquer coleção museológica e a espaço a nomenclatura de museu. A partir de 2009, com a criação do Ibram, foi normatizado o que é museu e o que é coleção de interesse, e o instituto vem no trabalho de profissionalizar a gestão do espaço, recursos humanos, levantamento de riscos e acervos, organizando o sistema”, comentou.
Como exemplo da identificação correta, Cristófaro lembrou que o Memorial Itamar Franco, que funciona ao lado do Mamm, não é um Museu, mas um espaço de interesse cultural, porque ter um acervo relevante.
O Mamm iniciou o processo para obter o selo “Museu Registrado” em 2017, sob a iniciativa da museóloga, Raquel Barbosa, e do restaurador, Aloísio Arnaldo de Castro.
“Enviamos a documentação exigida, abrimos o processo em setembro de 2017, recebemos mais interpelações e pedidos, que respondemos. Analisaram nossa missão, acervo, importância, conselho curador, diretoria eleita, plano museológico trienal e agora fomos credenciados”, resumiu o diretor.
Obra de Cândido Portinari está na mostra “Arte Brasileira: Coleção Murilo Mendes” em Juiz de Fora
Museu de Arte Murilo Mendes/Divulgação
Sobre o Mamm
Inaugurado em 2005, o Museu de Arte Murilo Mendes abriga o acervo bibliográfico e de artes visuais do poeta juiz-forano. Além de promover exposições, o espaço também desenvolve intensa programação cultural, educativa e gratuita, com vistas à continuação do legado muriliano.
Atualmente, estão nas dependências do Mamm a Biblioteca e Hemeroteca Dormevilly Nóbrega, a biblioteca da escritora Cleonice Rainho, da família Cosette de Alencar, do arquiteto Arthur Arcuri, do artista plástico João Guimarães Vieira e da autora Maria de Lourdes de Oliveira.
“Temos os acervos bibliográfico e pinacoteca de arte visuais de origem, ou seja, do Murilo Mendes. E o acervo expandido que reúne livros ligados à literatura, artes visuais e arquitetura; a coleção de arte moderna e contemporânea brasileira e arte juiz-forana”, contou Cristófaro.
Litografia de Antonio Corpora, de 1958, está na mostra “Modernidade Europeia”
Museu de Arte Murilo Mendes/Divulgação
A entrada é gratuita e a visitação pode ser feita de terça a sexta, de 9h as 18h, e aos sábados, domingos e feriados, das 12h às 18h. Nesta semana, o museu irá receber atrações da 29ª edição do Festival Internacional de Música Colonial Brasileira e Música Antiga.
“Temos uma programação de exposições focadas no acervo interno, que são frequentemente revisitadas por projetos de pesquisa, acervo muito rico. Atualmente, estão em cartaz o acervo brasileiro, outra focada na técnica de gravura na Coleção Murilo Mendes e uma do artista brasileiro, Farnese de Andrade, que é uma exposição que ele fez na década de 1970, na antiga Capela Galeria de Arte, que não existe mais”, afirmou o diretor.
Desde abril deste ano, a instituição retomou o Projeto Coletivo Cultural, disponibilizando ônibus para transportar estudantes de instituições públicas de Juiz de Fora para visitar o Museu.
Para informações sobre a programação, os interessados podem visitar a página oficial e os perfis oficiais do Mamm no Facebook e Instagram.
“Farnese – Pintura. Gravura. Objeto.” reúne trabalhos do artista Farnese de Andrade exibidos em 1979 em Juiz de Fora
Museu de Arte Murilo Mendes/Divulgação
Sobre o selo “Museu Registrado”
O Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) explicou ao G1 que, em todo país, 172 museus receberam o selo de Registro. Dos 427 museus de Minas, 31 possuem o selo, entre eles o Mamm.
A certificação é um instrumento da Política Nacional de Museus previsto pelo Estatuto de Museus, Lei 11.904, de 2009, e regulamentado pelo Decreto nº 8.124, de 2013, e Resolução Normativa nº 1 de 2016. O objetivo é estimular a formalização dos museus a partir do acompanhamento das dinâmicas de criação, fusão, incorporação, cisão ou extinção de museus.
Desde janeiro de 2017, para solicitar o registro e receber o selo é necessário:
Preencher e assinar o Formulário de Solicitação de Registro;
Fotocopiar os documentos solicitados;
Entregar/enviar o formulário devidamente preenchido e a documentação solicitada para o Ibram ou para a entidade registradora local, nos casos em que houver.
Segundo o Ibram, a certificação traz os seguintes benefícios para as instituições museológicas agraciadas:
Aumenta a visibilidade do museu, tanto em âmbito nacional (Plataforma Museusbr) como internacional (Registro de Museus Ibero-americano – RMI);
Propicia o compartilhamento direto com a sociedade de informações aprofundadas sobre os museus;
Auxilia os órgãos a qualificar as políticas públicas voltadas para o setor;
Facilita a adesão ao Sistema Brasileiro de Museus;
Permite que o museu exerça o direito de preferência em casos de Declaração de Interesse Público;
Habilita o museu a participar dos editais do Ibram ou de outras entidades que promovam o fomento aos museus e que exijam seu reconhecimento.
Confira uma reportagem do quadro “Diversão e Arte” que visita Museu de Arte Murilo Mendes
Posted in G1

Polícia Federal apreende mais de 300 quilos de cocaína na Baía de Guanabara

Droga estava distribuída em 12 bolsas que seriam içadas e colocadas dentro de um conteiner num navio com destino à Europa. Marinha do Brasil deu apoio a agentes da PF. Policiais federais prenderam em flagrante três pessoas e apreenderam 336 quilos de cocaína num barco pesqueiro na Baía de Guanabara.
Com o apoio de militares Marinha do Brasil, os agentes realizaram uma operação neste domingo (22) para combater o tráfico de drogas.
De acordo com as informações da PF, a cocaína estava distribuída em 12 bolsas que seriam içadas e colocadas dentro de um conteiner num navio com destino à Europa.
Posted in G1