PGR é contra recurso que pede no STF suspensão da pena de prisão de Lula

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu nesta terça-feira (31) que o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeite recurso apresentado pela defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que pede a suspensão da pena de prisão do petista.
Em parecer de 80 páginas, Raquel Dodge afirma que não há “plausibilidade” no recurso contra condenação de 12 anos e 1 mês na Operação Lava Jato, ou seja, não há argumentos convincentes de que a pena possa ser reduzida ou de que Lula possa ser absolvido. Conforme a procuradora, os argumentos são inadmissíveis e improcedentes e por isso não há motivo para suspender a prisão até julgamento dos recursos.
Raquel Dodge enviou parecer sobre recurso apresentado por Lula contra a decisão do ministro Luiz Edson Fachin, que rejeitou suspender a pena de prisão nos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex em Guarujá (SP).
Fachin considerou descabida a argumentação principal, de que deveria ser dada uma decisão provisória porque o Tribunal Regional Federal (TRF-4) demorou a analisar a admissibilidade dos recursos para os tribunais superiores. Isso porque, após o pedido, o TRF-4 negou enviar recurso para o STF por considerar que não havia questão constitucional a ser tratada.
Segundo a defesa de Lula, ele foi condenado mediante cerceamento de defesa e ofensa ao princípio do juiz natural. Ou seja, para a defesa, o processo não deveria estar com o juiz Sérgio Moro já que os fatos investigados não se referem a crimes cometidos na Petrobras. Fachin negou a liminar para suspender a prisão, mas o mérito do recurso, que tenta suspender a prisão até julgamento das instâncias superiores, ainda será julgado pelo plenário do STF, provavelmente em agosto.
Parecer da PGR
Ao rejeitar o pedido da defesa de Lula, Fachin pediu um parecer da PGR, que foi enviado nesta terça. Segundo Raquel Dodge, a pena fixada para o ex-presidente foi “proporcional e adequada”.
“Comprovada a existência de graves e diversas circunstâncias judiciais amplamente desfavoráveis ao condenado, a fixação da pena-base consideravelmente acima do mínimo legal é medida que se impõe, de forma que a pena fixada pelo acórdão recorrido não merece qualquer redimensionamento. Pesando de maneira intensa contra o recorrente gravíssimas e inúmeras consequências judiciais, as quais não encontram precedentes no sistema jurídico brasileiro, a sanção penal fixada no acórdão recorrido deve ser mantida”, afirma o parecer.
Ainda conforme a procuradora, Lula foi julgado pelo juízo correto, uma vez que houve crime federal e se referia à corrupção na Petrobras.
“O objeto da mencionada ação penal é a imputação de crimes praticados no âmbito do esquema criminoso que vitimou a Petrobrás, no qual contratos desta entidade com uma das suas principais fornecedoras, a Construtora OAS, gerou vantagem indevida que, dentre outros, foi direcionada a Luiz Inácio Lula da Silva, à época Presidente da República e apontado como o grande responsável pela manutenção do referido esquema criminoso”, afirmou a procuradora-geral.
Posted in G1