Programa do TSE desperta em jovens o interesse pela política

Iniciativa quer alertar crianças e adolescentes sobre a importância do voto consciente. ‘A finalidade do projeto é criar os eleitores do futuro’, diz Fux.

 

Na Bahia, o Tribunal Superior Eleitoral lançou um alerta aos jovens sobre a importância do voto consciente. No evento, o ministro Luiz Fux falou também sobre a Lei da Ficha Limpa.
Na plateia, 360 alunos de escolas públicas: municipais e estaduais. No palco, o tema é o voto. O projeto, lançado nesta terça-feira (31), em Salvador, pelo presidente do Tribunal Superior Eleitoral, ministro Luiz Fux, incentiva a consciência dos eleitores para dar mais qualidade à política brasileira. A iniciativa já passou por São Paulo, Paraná e Goiás.
Despertar em crianças e adolescentes o interesse pela política para que no futuro haja mais renovação, surjam lideranças jovens: esse é o propósito do TSE. Para reforçar a ideia, foi organizada uma eleição entre os alunos. Eleição com candidatos, eleitores e urnas eletrônicas.
Teve até simulação do horário eleitoral na TV. Candidatos mirins a governador, prefeito, deputados estaduais e vereadores apresentaram suas propostas. Depois, participaram de um debate.
Os alunos formaram filas diante das cabines, e votaram nos candidatos que eles próprios escolheram previamente. “Que critérios você usaria para votar em uma eleição de verdade?”, pergunta o repórter. “Primeiramente, analisaria as propostas dos candidatos com atenção para poder escolher, em qual candidato eu iria votar”, diz a estudante Helena Carolina, de 12 anos.
Depois do resultado da votação, os eleitos simbolicamente foram diplomados e falaram dos seus planos. “Vou aumentar o número de professores nas escolas, melhorar a infraestrutura, e melhorar a alimentação, para que ela venha a ser mais nutritiva e gostosa”, disse a estudante Ana Beatriz de Sousa.

O ministro Luiz Fuxx ressaltou os objetivos do programa do TSE: “A finalidade do projeto é, exatamente, criar os eleitores do futuro, os políticos do futuro. Dando a essa juventude noções básicas de cidadania para que eles comecem a sua vocação ciente desses valores fundamentais e possam trazer um novo panorama político para o Brasil. Sem prejuízo, quando se acrescenta essas noções de cidadania, além de despertarmos vocações, também colaboramos para que haja um voto consciente”, declarou.

O ministro Luiz Fux também falou sobre a Lei da Ficha Limpa. Fux afirmou que condenados em segunda instância são inelegíveis e não podem concorrer nas eleições. “O candidato condenado em segunda instância, ele já é um candidato inelegível. Ele é um candidato cuja a situação jurídica já está definida”, afirmou.

Quando indagado sobre a situação do ex-presidente Lula – que está preso em Curitiba, condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro -, Luiz Fux disse que não gostaria de comentar casos específicos. “Há vários casos de políticos que foram enquadrados na Lei da Ficha Limpa. Então, o político enquadrado na Lei da Ficha Limpa não pode forçar uma situação se registrando para se tornar um candidato sub judice”, disse.

Posted in G1